Dia do Agricultor

Por trás de uma atividade tão importante, tem que ter um trabalhador à altura. Afinal, basta parar alguns segundos, relembrar tudo o que você comeu durante o dia e constatar que, sem o agricultor e seu esforço para analisar e arar a terra, escolher os melhores grãos e sementes, fazer o plantio e a colheita no tempo certo, nenhum alimento estaria à nossa disposição. Portanto, fica aqui a nossa homenagem a todos os retreiros agricultores! 

O Dia do Agricultor foi uma ideia e uma realização do ex-presidente Juscelino Kubitschek, lá em 1960, e é uma homenagem mais do que merecida. Isso fica claro quando a gente passa a acompanhar os números da agricultura que impactam na economia do país: a safra de 2019 deve fechar o ano movimentando 372 bilhões de reais, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

E nosso universo retreiro, onde entra nisso? 

Historicamente, as retroescavadeiras sempre foram associadas às atividades ligadas à construção civil, mas, graças à sua versatilidade, elas vêm ganhando muito espaço no agronegócio. 

Dados da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) apontam que a agricultura foi responsável por 7% de todas as vendas no mercado brasileiro, em 2012, e seguiu com essa participação sobre o total das vendas até 2016. Mas, em 2017, somente no primeiro trimestre, passou a responder por 12% do total das vendas no mercado brasileiro. Para 2019, a previsão é que as vendas de máquinas e implementos agrícolas cresçam 10%. Na agricultura, a máquina mais vendida ainda é a pá-carregadeira, mas a retro surge logo em seguida, na segunda colocação, segundo a associação. 

Aplicações no campo

Qualidades para atuar no campo as retros têm de sobra. Nesse ambiente, elas são amplamente usadas para aberturas de valas e valetas, drenagem de áreas e construção de curvas-de-nível. Além disso, uma ampla gama de implementos acrescenta à máquina funções extras: garfo pallet, placa vibratória, caçambas de variados tamanhos e capacidades, vassoura hidráulica, perfuradores, entre outros. 

580 chegou no Brasil via agricultores

As primeiras retroescavadeiras CASE 580 a trabalharem no Brasil, em 1968, foram importadas por produtores de arroz do Rio Grande do Sul. Naquela época, as máquinas faziam o preparo do campo e a abertura dos canais de irrigação. Depois, ainda trabalhavam na drenagem que antecede a colheita. 

Atualmente, 70% das retros CASE vendidas no Rio Grande do Sul vão trabalhar para o agronegócio.

Acho que já deu pra deixar claro que esse dia também pertence a um monte de retreiro por aí, certo? Tanta versatilidade não poderia ficar de fora de um negócio que é tão importante. 

E você, é ou conhece um amigo operador que doma uma retro no campo? Conta pra gente, manda foto, aproveite o espaço para deixar essa homenagem ao Dia do Agricultor ainda mais rica e cheia de histórias!